Recibos verdes: ligeiro guia

Recibos verdes: ligeiro guia
15 de Outubro, 2018 No Comments Finanças, Recibos Verdes atiopatinhas

Caríssimos,

Já trabalharam a recibos verdes? Querem trabalhar com os ditos? Não percebem peva daquilo e querem ser ainda mais cultos nas conversas entre colegas? Então hoje há um ligeiro guia sobre recibos verdes.

Recibos verdes é o que chamamos ao papelinho – ok, agora é tudo informatizado but you get it – que um trabalhador por contra própria, ou trabalhador independente, passa para que lhe possam pagar pelos serviços prestados.

Como podem fazer tal coisa perguntam vocês, simples:

  1. Abrir actividade nas Finanças (seja presencialmente enfrentando as filas numa repartição perto de si OU no conforto do vosso sofá pelo Portal das Finanças)
  2. Emitir os recibos

Fácil não? Óbvio, no entanto, não se esqueçam do IVA e da retenção na fonte. Retenção na fonte os trabalhadores por contra de outrem já conhecem bem, é um adiantamento ao estado. O governo chupa o pilim para depois no IRS caso haja valor a pagar a “porrada” não é tão elevada, mas também se tivermos pago a mais é devolvido.

200

Falemos de IVA:

  • Menos de 10 mil paus anuais? Isento de pagar o dito cujo. (Se ultrapassarem o valor ficam isentos até Janeiro e depois tem de ir informar tal coisa e pagar o IVA, leiam mais aqui caso não me tenha explicado bem)
  • Mais de tal valor? Paga e não chora!

Relembro que também existem casos em que são isentos de pagar o tal do IVA mas isso já deixo para vocês irem ler (CIVA – Código Imposto sobre o Valor Acrescentado).

Querem um guia mais organizadinho e continuar a aprofundar conhecimento? Podem fazê-lo aqui.
Bons recibos!

Tags
Sobre o autor

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *